terça-feira, 17 de setembro de 2019


         NÃO APENAS DOAVA AMOR, ERA O AMOR!

Poucos, neste mundo, tiveram a graça de testemunhar, e compreender, um ser humano, quais todos aos demais, em espécie, quase não dormir para que seu irmão pudesse repousar; não raro, se privar do alimento para que outros tivessem o que comer.
Parece impossível de crer que alguém tratasse seus semelhantes, sobretudo aqueles com múltiplas necessidades, com mais carinho e amor que a si mesmo.
Sua vigília durava por todo o dia e quase por todas as noites, em prol dos irmãozinhos que estavam sob seus cuidados. Já em idade avançada, próximo dos 78 anos de idade, no leito de morte, doente, frágil, por tanto se doar, antes de fechar os olhos a essa vida, tendo neles o retrato fiel da serenidade e exibindo um doce sorriso nos lábios, quase em um sussurro, agradeceu: obrigado meu Deus ter permitido, enquanto tive forças, compartilhar a sua Luz e o seu Amor!

“Mãe” dos desventurados, iluminado Ser; que seu santo exemplo sirva de inspiração a todos nós, pequeninos transeuntes desta tortuosa estrada!
Homenagem ao Anjo que viveu entre nós, IRMÃ DULCE.



Um comentário:

  1. Disse bem!ela só tinha amor no seu coração !a pequena e grande querida Irmã Dulce

    ResponderExcluir